23/09/2013

Água a partir do ar (tecnologia israelense)

Eu fico realmente encafifado como os governos só pensam, primariamente, em prover este tipo de recurso para seus intentos de guerra... Parece que todo o desenvolvimento tecnológico (todo não, ou boa parte dele!) são canalizados para ou pela tecnologia voltada para a guerra!! Tudo bem que a humanidade não é boa (será um dia?!?!), mas não precisava ser tão escrachado assim???

Bom, voltando à questão, a ideia é ótima... Aliada a painéis solares (para prover de energia elétrica o próprio aparelho), temos aí um bom (e ecologicamente correto) problema para as companhias de abastecimento de água, né?!?!
Vamoquevamo! Se (um dia) venderem um aparelho desses aí, acoplado com painéis solares, já dá pra pensar em largar as companhias comerciais que fornecem água!


21/09/2013

Yan, em momento patriótico

Se liga na versão do Hino Nacional Brasileiro!

 

19/09/2013

O incrível poder de concentração de Miyoko Shida

A performance ocorreu em um programa de talentos da TV espanhola...
Realmente uma primorosa apresentação de equilíbrio...
Eu vi primeiro aqui.

17/09/2013

Detidos dois suspeitos de incendiarem o Parque Suçuapara

Homens suspeitos de atear
fogo no Sussuapara são presos

Cleiton Santos da Silva, de 33 anos e Josimar Guerra de Aguiar, de 35, usando um isqueiro atearam fogo em vários pontos do Parque Sussuapara. Testemunha viu e deu voz de prisão... 

Autor: Ana Cássia Costa

Presos suspeitos de atearem fogo no Sussuapara
Foto: Divulgação-Delegacia Estadual de Crimes contra o Meio Ambiente e Urbanismo
Dois homens foram vistos ateando fogo em vários pontos ao longo do Parque Sussuapara, em Palmas, nesta segunda-feira, 16. Segundo informou a delegada Ludmila Cristian Cezarino, da Delegacia Estadual de Crimes Contra o Meio Ambiente e Urbanismo (DEMA), uma testemunha viu quando Cleiton Santos da Silva, de 33 anos e Josimar Guerra de Aguiar, de 35, “se abaixavam e com um isqueiro ateavam fogo em vários pontos ao longo do Parque Sussuapara. A testemunha viu, seguiu eles e deu voz de prisão”.

Com ajuda, a testemunha que é um ex-Capitão da Polícia Militar, evitou a fuga dos criminosos e ligou para o 190. A PM levou os dois homens para a delegacia, mas eles negaram o crime. A delegada efetuou a prisão em flagrante de Cleiton Santos e Josimar Guerra, enquadrados no artigo 41 da Lei 9605/98 de Crimes Ambientais, por provocar incêndio em mata e floresta. Os dois estão na Casa de Prisão Provisória de Palmas (CPPP) à disposição da justiça, podendo ser condenados a até quatro anos de prisão.

“Nós acreditamos que os dois possam estar envolvidos em mais crimes do tipo aqui na capital”, afirmou a delegada. Ela disse ainda que os dois não são de Palmas, mas de Guaraí e Araguaína, e que ambos tem passagem pela polícia. “Eles estão aqui há cinco dias e ambos têm passagem por outros crimes”, disse.

A delegada reforçou o pedido à população de que denunciem este tipo de ato na Guarda Metropolitana Ambiental (2111-3000), no 190 e na própria DEMA (3218-6879/6876). “As nossas condições climáticas não favorecem e, dentre outras coisas, o incêndio prejudica a saúde. Qualquer pessoa pode contribuir e não é obrigado a se identificar. Dependemos das informações da população”, afirmou a delegada.

Ocorrências
De acordo com o Major Geraldo Primo, do Corpo de Bombeiros, que acompanha as ocorrências de incêndio, até esta segunda-feira, 16, cerca de 60 focos de incêndios foram registrados pelos Bombeiros, só na capital.

O Tocantins é o 3° Estado que registrou maior número de focos de incêndios no país, perdendo para o Mato Grosso, em 1º lugar e para o Maranhão, em 2º. De acordo com Major Primo, o número de focos detectados por satélite no Tocantins em 2013 é 5.693. O número de focos combatidos pelo Corpo de Bombeiros no Estado é de 693.

Na capital, desde o início do ano até esta segunda-feira, 16, 346 incêndios foram combatidos e 347 no interior. Em setembro, foram 60 focos na capital e 70 no interior, totalizando 130 incêndios combatidos pelo Corpo de Bombeiros.

Segundo informou Major Primo, desde junho duas equipes de combate à incêndio florestal e mais duas de combate à incêndio urbano atuam na capital. No interior há uma equipe de cada para atender as ocorrências.

“Ontem recebemos a ajuda de mais 50 brigadistas contratados pela Secretaria Estadual de Meio Ambiente”, informou Major Primo. Destes 10 ficarão em Palmas e 40 serão distribuídos nas cidades de Araguaína, Porto Nacional, Paraíso, Gurupi, Caseara, Formoso do Araguaia, todas com seis brigadistas cada e Talismã, com quatro.

O Corpo de Bombeiros reforçou o pedido da delegada para que as pessoas denunciem se verem alguém ateando fogo nas matas da cidade.

Fonte: T1 Notícias

Veja como a televisão (Anhanguera) noticiou o fato:

video

13/09/2013

É você Coca-Cola? Coisa feia hein!?!?

Substâncias presentes na Coca-Coca podem até causar câncer

O "caramelo IV", usado para colorir o refrigerante, está ligado a câncer de pulmão, esôfago e sangue. E os brasileiros tem um motivo a mais para preocupação. A mesma bebida vendida em nosso País tem 67 vezes mais caramelo IV que a Coca-Cola comercializada na Califórnia.


Fonte: Eu vi aqui

Meu presente me condena!

De vez em quando aparecem algumas postagens muito engraçadas... 
Algumas delas dizem respeito à uma brincadeira que disseminou-se pela internet, que é a de refazer fotografias antigas (especialmente quando crianças), atualizando-as já adultos. 
As cenas são hilárias. Algumas são bobas, outras muito engraçadas. 
O post foi parcialmente copiado do site Uhull que conseguiu compilar um bom número de fotos (33 ao todo) para nosso deleite e riso!

Confere aí, abaixo:

01 Meu presente me condena (33 fotos) 02 Meu presente me condena (33 fotos) 03 Meu presente me condena (33 fotos) 05 Meu presente me condena (33 fotos) 06 Meu presente me condena (33 fotos) 07 Meu presente me condena (33 fotos) 08 Meu presente me condena (33 fotos) 09 Meu presente me condena (33 fotos) 11 Meu presente me condena (33 fotos) 13 Meu presente me condena (33 fotos) 14 Meu presente me condena (33 fotos) 15 Meu presente me condena (33 fotos) 16 Meu presente me condena (33 fotos) 17 Meu presente me condena (33 fotos) 18 Meu presente me condena (33 fotos) 19 Meu presente me condena (33 fotos) 20 Meu presente me condena (33 fotos) 21 Meu presente me condena (33 fotos) 221 Meu presente me condena (33 fotos) 241 Meu presente me condena (33 fotos) 25 Meu presente me condena (33 fotos) 26 Meu presente me condena (33 fotos) 27 Meu presente me condena (33 fotos) 281 Meu presente me condena (33 fotos) 29 Meu presente me condena (33 fotos) 301 Meu presente me condena (33 fotos) 31 Meu presente me condena (33 fotos) 33 Meu presente me condena (33 fotos) 35 Meu presente me condena (33 fotos) 36 Meu presente me condena (33 fotos) 37 Meu presente me condena (33 fotos) 381 Meu presente me condena (33 fotos) 391 Meu presente me condena (33 fotos)

11/09/2013

Suçuapara em chamas... de novo!!

Como, infelizmente, já é de praxe neste período de estiagem, o Parque Suçuapara, nas imediações da quadra 404 Norte, sofreu mais uma vez por causa da ação humana...

Por volta das 14h desta quarta-feira, "alguém" resolveu fazer uma fogueira de São João fora de época e iniciou o incêndio que aí está!

Os bombeiros foram acionados mas, apenas três agentes - quatro com o motorista do carro-pipa - contiveram parcialmente o estrago causado pelas chamas que, literalmente e auxiliadas pelo vento, lamberam o mato ressequido, embora verde!

Todo ano a mesma coisa!
Todo ano o mesmo terror!
Todo ano a mesma falta de consciência!
Todo ano a mesma falta de cidadania...

E por pura ironia, hoje é dia do Cerrado...

Uma péssima forma de "comemorar" o dia!!

Imagens: Samuel Lima// áudio: ambiente


Na guerra são sempre pobres que morrem!


Independentemente de quem está certo ou errado nesta loucura de mundo, a morte de pessoas nunca é algo normal! Acabo de ver este vídeo na internet... 



É o momento exato em que uma artilharia antimíssil é atingida por um foguete, aos 59 segundos do vídeo... 


Citando Jean-Paul Sartre, "quando os ricos fazem a guerra, são sempre os pobres que morrem". 

Esta guerra é de ricos, mas são os pobres suas principais vítimas... 

(obs.: pode ser que, em alguns casos, para ver o vídeo será necessário logar-se no sistema Youtube. Já pensando nessa possibilidade, upei o vídeo no próprio sistema do blog, sem requerimento de login)




video

10/09/2013

Frases sobre Ética - by CGU

Contribua você também... 
  Owly Images

06/09/2013

Qual métrica do Facebook realmente importa?

A resposta para essa pergunta depende do seu objetivo.Antes de determinar qual indicador realmente importa, responda para si mesmo: qual o seu objetivo nas redes sociais?
Com essa resposta claramente definida, entenda qual número observar na fan page que você administra e nos posts publicados nela.

Curtidas da página
O que é?
É o número de pessoas que clicaram no botão “Curtir” da sua página. Aparece no alto, logo abaixo do nome da fan page. É um número vitalício, que tende sempre a crescer, pois dificilmente alguém descurte uma página.
Quando priorizar?
Quando seu objetivo for aumentar a base de pessoas às quais você tenha acesso via Facebook. Fazendo anúncios pagos, esse número cresce muito facilmente. Por isso, cuidado: esse crescimento pode abranger pessoas fora do seu target, transformando-o em gordura.

Pessoas falando sobre isso (da página)
O que é?
É aquele número que também aparece no alto, logo ao lado do número de pessoas que curtiram a página. Trata-se da soma das pessoas que nos últimos sete dias fizeram qualquer ação relacionada à fan page — curtir, comentar, compartilhar, mencionar, marcar foto, fazer check-in, recomendar local. Maroto, o Facebook chama qualquer interação de engajamento, dando a sensação de que um simples clique significa que alguém está engajado — empenhado, envolvido — com a sua marca. Não se iluda: o usuário apenas clicou, o que é bem distante de engajar-se, na acepção da palavra.
Quando priorizar?
Quando você buscar alto índice de interação com ou público ou de atividade no próprio Facebook, sem necessariamente fazer o resultado se refletir fora das redes sociais, como vendas, tráfego para o site etc. Essa é a métrica mais visível; todos enxergam o resultado de todos. Por isso, atribui-se importância exagerada a ela, muitas vezes por mera vaidade.

Curtidas da publicação
O que é?
É aquele número que aparece em cada publicação, indicando quantas pessoas “curtiram isso”. É idêntico ao que aparece em publicações feitas por usuários comuns (pessoas físicas).
Quando priorizar?
Quando você quiser que as pessoas sinalizem não apenas a leitura, mas alguma atitude em relação ao conteúdo. De preferência, atitude positiva, é claro. Imagens tendem a gerar mais cliques em curtidas do que texto puro.

Compartilhamento da publicação
O que é?
É o número de pessoas que republicaram aquele conteúdo para seus amigos. Indica que seu conteúdo alcançou o nível máximo de aprovação para aquele usuário, a ponto de ele querer replicar.
Quando priorizar?
Quando você pretender expandir o alcance do seu conteúdo não apenas para os fãs da sua página, mas também para os amigos deles. Para essa métrica, o investimento financeiro pode ajudar, mas a aderência do conteúdo ao público-alvo é que será determinante.

Alcance da publicação
O que é?
É o número de pessoas que viram a publicação nos 28 dias seguintes à data em que ela foi ao ar. Isso se mede pelo número de vezes que aquela publicação foi carregada no Feed de notícias dos seus fãs.
Quando priorizar?
Sempre que você buscar ampliar o número de pessoas que leram ou viram o seu conteúdo. Talvez seja a métrica mais legítima para quem busca ganhar visibilidade efetiva. O sucesso do alcance é visto somente pelo administrador da página. Aparece para ele logo abaixo do post. Fique atento a um detalhe: quando o post é promovido (recurso pago), o alcance aumenta muito.

Cliques em links
O que é?
É a quantidade de pessoas que clicaram em um link para seu blog, site ou qualquer outro endereço fora do Facebook. Como visualizar esse número? Bem, o Facebook não fornece esse resultado. Você pode, então, usar encurtadores como bit.ly e migre.me. Eles registram o número de cliques em cada link. Você pode, ainda, criar o seu próprio encurtador — o tracto.me é o nosso exemplo caseiro.

Quando priorizar?
Quando você quiser usar o Facebook como uma fonte de tráfego para um conteúdo ou uma landing page, como um formulário para inscrição num evento ou para download de um e-book, por exemplo. Você talvez vá se surpreender negativamente. O número de cliques vindos do Facebook costuma ser relativamente baixo.

Há outras métricas . Para ter acesso a elas, baixe os relatórios que o Facebook disponibiliza em Excel. Clique na opção “Ver dados”, conforme mostra a imagem abaixo.
Relatórios no Facebook

Pense com a cabeça do Facebook. Se você fosse gestor dessa empresa, qual seria sua obrigação? Gerar receita para ela. Pois bem, para ter números bons, seja qual for a métrica, é preciso pagar. Portanto, para fan pages, o Facebook está longe de ser gratuito.
Há algo de errado, imoral ou antiético nesse modelo de negócios?
Absolutamente, não. Só é importante que você, como gestor de uma marca, tenha consciência dessa condição e a use a seu favor.

Sobre o autor: Cassio Politi é diretor de content marketing da Tracto. É autor do livro Content Marketing - O Conteúdo que Gera Resultados. Já prestou consultoria e ministrou cursos em 25 estados. Twitter: @tractoBR.

04/09/2013

... e as máscaras vão se esfacelando...

Clube Militar responde ao Globo: “Equívoco uma ova!"


Jornal GGN - O Clube Militar do Rio de Janeiro publicou texto em seu site oficial no qual rechaça o editorial do último sábado (31), do jornal O Globo, em que a publicação carioca admite que ter apoiado editorialmente o golpe militar de 1964 foi um erro. 

No que classifica como “mudança de posição drástica”, o artigo afirma que o impresso da família Marinho cedeu ao que chama de “pressão” do governo federal à “constante ameaça do 'controle social da mídia'”, ainda que tal proposta do PT não seja apoiada pelo ministro das Comunicações, Paulo Bernardo.

Entre outras acusações, o texto afirma que O Globo mentiu em dois momentos no editorial feito para o site Memória. A primeira, segundo o Clube Militar, foi que o apoio do jornal carioca aos militares não aconteceu apenas na época do golpe, mas “antes, durante e por muito tempo depois da deposição de Jango”. Outra mentira do jornal dos Marinho, ainda segundo o Clube Militar, é que que o apoio editorial – agora chamado de “equivocado” pelo jornal – não foi “da redação”, mas “posicionamento político firmemente defendido por seu proprietário, diretor e redator-chefe, Roberto Marinho, como comprovam as edições da época”.

O texto ainda desmente que o apoio de O Globo teria sido passageiro, mudado após engano. “Não foi, também, como fica insinuado, uma posição passageira revista depois de curto período de engano, pois dez anos depois da revolução, na edição de 31 de março de 1974, em editorial de primeira página, o jornal publica derramados elogios ao Movimento; e em 7 de abril de 1984, vinte anos passados, Roberto Marinho publicou editorial assinado, na primeira página, intitulado “Julgamento da Revolução”, cuja leitura não deixa dúvida sobre a adesão e firme participação do jornal nos acontecimentos de 1964 e nas décadas seguintes”.


Por fim, o Clube Militar chama de “mentira deslavada” o posicionamento do jornal carioca, o qual o classifica como “revisionismo, adesismo e covardia do último grande jornal carioca”.

Leia na íntegra o texto do Clube Militar do Rio de Janeiro:

NOSSA OPINIÃO – EQUIVOCO, UMA OVA!


Numa mudança de posição drástica, o jornal O Globo acaba de denunciar seu apoio histórico à Revolução de 1964. Alega, como justificativa para renegar sua posição de décadas, que se tratou de um “equívoco redacional”.

Dos grandes jornais existentes à época, o único sobrevivente carioca como mídia diária impressa é O Globo. Depositário de artigos que relatam a história da cidade, do país e do mundo por mais de oitenta anos, acaba de lançar um portal na Internet com todas as edições digitalizadas, o que facilita sobremaneira a pesquisa de sua visão da história.

Pouca gente tinha paciência e tempo para buscar nas coleções das bibliotecas, muitas vezes incompletas, os artigos do passado. Agora, porém, com a facilidade de poder pesquisar em casa ou no trabalho, por meio do portal eletrônico, muitos puderam ler o que foi publicado na década de 60 pelo jornalão, e por certo ficaram surpresos pelo apoio irrestrito e entusiasta que o mesmo prestou à derrubada do governo Goulart e aos governos dos militares. Nisso, aliás, era acompanhado pela grande maioria da população e dos órgãos de imprensa.

Pressionado pelo poder político e econômico do governo, sob a constante ameaça do “controle social da mídia” – no jargão politicamente correto que encobre as diversas tentativas petistas de censurar a imprensa – o periódico sucumbiu e renega, hoje, o que defendeu ardorosamente ontem.

Alega, assim, que sua posição naqueles dias difíceis foi resultado de um equívoco da redação, talvez desorientada pela rapidez dos acontecimentos e pela variedade de versões que corriam sobre a situação do país.

Dupla mentira: em primeiro lugar, o apoio ao Movimento de 64 ocorreu antes, durante e por muito tempo depois da deposição de Jango; em segundo lugar, não se trata de posição equivocada “da redação”, mas de posicionamento político firmemente defendido por seu proprietário, diretor e redator chefe, Roberto Marinho, como comprovam as edições da época; em segundo lugar, não foi, também, como fica insinuado, uma posição passageira revista depois de curto período de engano, pois dez anos depois da revolução, na edição de 31 de março de 1974, em editorial de primeira página, o jornal publica derramados elogios ao Movimento; e em 7 de abril de 1984, vinte anos passados, Roberto Marinho publicou editorial assinado, na primeira página, intitulado “Julgamento da Revolução”, cuja leitura não deixa dúvida sobre a adesão e firme participação do jornal nos acontecimentos de 1964 e nas décadas seguintes.

Declarar agora que se tratou de um “equívoco da redação” é mentira deslavada (grifo meu).

Equívoco, uma ova! Trata-se de revisionismo, adesismo e covardia do último grande jornal carioca.

Nossos pêsames aos leitores.

Veja o texto original aqui.



Fonte: Jornal GGN